Endometriose tem cura?

Conhecida como uma das principais causadoras de dores crônicas e infertilidade feminina, a endometriose afeta mais de sete milhões de mulheres em idade reprodutiva no Brasil. A doença ginecológica é caracterizada pelo crescimento de endométrio, tecido que reveste o útero internamente, assim como outros outros órgãos do corpo.

As causas da doença não são de todo conhecidas, mas sabe-se que o histórico familiar tem grande influência, podendo se manifestar em seguidas gerações. Além das dores típicas de cólicas menstruais em períodos fora do ciclo, a endometriose pode gerar outros sintomas, dependendo da região em que se manifeste: diarreia, tosse com sangue, incômodo ao urinar e durante as relações sexuais, por exemplo.

Apesar de ainda não ter cura definitiva, há diversos tratamentos disponíveis que ajudam as pacientes a recuperarem a qualidade de vida. Confira quais são eles e outras informações sobre a doença:

Endometriose tem cura?

A cura é um assunto polêmico quando se trata de endometriose. Isso porque muitas mulheres, dependendo do estágio da doença em que se encontram, conseguem se livrar dos sintomas e incômodos ao longo do tratamento. Outras podem, inclusive, até mesmo não desenvolver mais o tecido do endométrio pelos órgãos do corpo. A menopausa é uma das causas que estabiliza a doença, mas não funciona em todos os casos.

Contudo, não há evidência comprovada de que a endometriose tenha cura definitiva. A causa que a origina é desconhecida, podendo, muitas vezes, ter influência genética. Conhecida como “a doença da mulher moderna”, ela afeta pacientes entre 25 e 35 anos, principal faixa de idade reprodutiva.

Como funciona o acompanhamento da doença

O acompanhamento da endometriose depende do estágio da doença em que a mulher se encontra, onde ela se desenvolve e os tipos de sintomas que apresenta. Cada quadro requer uma atenção e um tipo de acompanhamento médico específicos.

O mais comum é, a partir do diagnóstico do ginecologista, manter uma rotina de exames ginecológicos que possam acompanhar o desenvolvimento da doença ou seu possível recuo, como acontece em muitos casos após o tratamento.

Para as mulheres que apresentem dificuldade para engravidar, é necessário o acompanhamento com um especialista em reprodução, que avaliará a necessidade de tratamentos específicos.

Possíveis tratamentos para a endometriose

Assim como o acompanhamento, o tratamento para endometriose também depende de como a doença se manifesta no corpo da paciente. Saiba mais sobre cada um deles:

  • Tratamento hormonal

Mulheres mais jovens podem fazer uso de medicamentos que suspendem a menstruação, como os anticoncepcionais de uso contínuo ou DIU com progesterona. Ao alterar o ciclo, ou seja, não permitir que o endométrio se descole do útero e vá para outros órgãos do corpo, a doença pode ser temporariamente suspensa também. Contudo, é preciso ter atenção aos efeitos colaterais que as pílulas podem gerar. Essa é uma opção para aquelas que não desejem engravidar.

  • Tratamento com medicação

Além das pílulas, outras medicações paliativas para a dor podem ser utilizadas, como anti-inflamatórios.

  • Cirurgia

A cirurgia é realizada nos casos em que há risco para a saúde da paciente, retirando os focos de endometriose profunda, ou seja, nos quadros de maior intensidade da doença. Com esse método, todas as distorções provocadas nas partes do corpo pela doença são corrigidas. A cirurgia é realizada através de videolaparoscopia, um método minimamente invasivo. Para as mulheres que já tenha filhos, a remoção do útero e dos ovários é uma opção.

  • Tratamento com terapias complementares

É unânime entre os especialistas que os exercícios físicos, ao melhorarem o condicionamento e disposição corporal, ajudam no tratamento da endometriose. As atividades mais comuns são acupuntura e fisioterapia. Para saber qual é a mais adequada para você, procure seu médico.

  • Fertilização in vitro

Mulheres que apresentem dificuldade para engravidar podem realizar o sonho da maternidade através da fertilização in vitro (FIV), uma das técnicas de reprodução assistida mais desenvolvidas.

Engravidando com endometriose

Uma das dúvidas mais comuns em pacientes diagnosticadas com endometriose é a possibilidade de engravidar. Apesar da infertilidade feminina ter na doença uma das suas principais fontes, nem todas as mulheres que a desenvolvem terão dificuldade em gerar filhos.

Como apresentamos anteriormente, em cada caso ela se manifesta em diferentes estágios. Para as mulheres que tenham a infertilidade como um dos principais sintomas, há uma série de tratamentos que podem reverter essa situação. As técnicas de reprodução assistida, como a inseminação artificial (IA) e a fertilização in vitro (FIV), têm apresentado resultados satisfatórios. Com elas, a endometriose tem cura, mesmo que seja temporária.

A FIV é uma das mais eficazes, por possibilitar o congelamento dos óvulos para uso posterior e o acesso ao banco de doadoras, por exemplo.

Neste post, abordamos os principais tratamentos para a endometriose, doença que acomete mais de 15% das mulheres em idade fértil no país. “Endometriose tem cura?” é uma das questões mais recorrentes para as pacientes diagnosticadas com a doença.

As possibilidades de tratamento são inúmeras, a depender do estágio e dos sintomas apresentados. Nesse momento, é importante contar com a ajuda de um médico especializado, capaz de lhe auxiliar na escolha da melhor forma de tratar a doença, além de realizar os exames para detectar endometriose.

Precisa realizar o diagnóstico ou acompanhamento da doença? Solicite agora o agendamento do seu exame com a Clínica CEU.

3.6/5 - (7 votes)
Endometriose tem cura?
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM