Ultrassom e Raio X: conheça as diferenças entre exames de imagem

Quem nunca precisou fazer um ultrassom ou um raio X? Estes são dois dos exames mais solicitados pelos médicos, recomendados até mesmo em check-ups de rotina. Acontece que existe um bom motivo para isso: eles fazem parte dos chamados exames de imagem, uma das ferramentas mais importantes para o diagnóstico e acompanhamento da saúde dos pacientes.

Os exames de imagem permitem ao médico ver dentro do corpo humano, observando, às vezes em tempo real, a estrutura dos ossos, veias, músculos e ossos do paciente. Então dá para entender porque eles são tão importantes.

Além do ultrassom e do raio X, existem outros exames de imagem muito utilizados, como a tomografia, a mamografia, densitometria óssea e a ressonância magnética, cada um com suas próprias indicações. Mas estes últimos costumam ser mais específicos, solicitados quando há necessidade de investigar melhor um quadro ou sintoma do paciente.

Como uma mesma estrutura pode ser analisada por diferentes tipos de exames – os órgãos, por exemplo, podem ser visualizados através do raio X, da tomografia ou do ultrassom – , muitas pessoas chegam nos consultórios com dúvidas em relação às diferenças entre os exames de imagem: porque foi solicitado este exame e não aquele, para que cada um é mais indicado, quais são seus benefícios, riscos e vantagens.

São essas dúvidas entre raio x e ultrassom que serão respondidas no nosso artigo. Confira:

Como funciona o Raio X?

O aparelho de raio X emite elétrons de uma fonte de radiação controlada. Esses elétrons ultrapassam alguns tecidos do corpo, enquanto colidem com outros, dependendo da densidade dos átomos de cada tecido. Essa colisão gera uma sombra que, impressa em um filme específico, gera o resultado final. Em outras palavras, ele ultrapassa tecidos como a pele, gordura e músculos, e colide com, por exemplo, a estrutura óssea, quando é essa que deve ser analisada.

Quando o Raio X é indicado?

Muitos pacientes acreditam que a radiografia exibe apenas a estrutura óssea do corpo humano. Acontece que ele também pode ser utilizado para observar as condições de órgãos e estruturas internas como o pulmão, e para acompanhar a evolução de tumores e doenças ósseas.

No entanto, por haver exposição à radiação, mesmo que pequena, o raio X não é indicado para grávidas e crianças em desenvolvimento, já que estudos indicam que a radiação pode influenciar no desenvolvimento do feto e no crescimento ósseo das crianças.

Em alguns casos, o exame exige a utilização de um contraste para visualizar estruturas específicas, como o trato gastrintestinal e os vasos sanguíneos. Os meios de contraste mais utilizados são à base de iodo ou bário.

Vantagens do raio X

As principais vantagens do raio X são o baixo custo do exame, além de sua rapidez para obter imagens e de sua portabilidade, já que existem versões do equipamento que podem ser levadas até o leito do paciente caso necessário.

Cuidados e preparos necessários

Leve ao consultório médico os exames de imagem anteriormente realizados. Em alguns casos, não será necessário repetir o procedimento e, em outros, os exames anteriores servirão como uma boa base de comparação.

Umas das vantagens da radiografia é que, geralmente, ele não exige preparação prévia. No entanto, no momento do exame, é importante que o responsável proteja, com um avental metálico, as áreas do corpo do paciente que não precisam ser analisadas. Isso porque, mesmo que pequena, o raio-x expõe o paciente à um nível de radiação, então todas as medidas devem ser tomadas para evitar uma absorção desnecessária.

Pelo mesmo motivo é importante que o paciente busque por clínicas modernas e de confiança, já que equipamentos mais avançados utilizam doses de radiação menores para obter os mesmos resultados.

Como funciona o Ultrassom?

O ultrassom funciona de forma muito parecida com o raio X. A principal diferença é que, ao invés de radiação, a ultrassonografia emite ondas sonoras controladas. Essas ondas também ultrapassam certos tecidos do corpo e colidem com outros – dependendo da densidade dos átomos -, e os ecos gerados pela colisão produzem a imagem que será analisada.

Além disso, as imagens da ultrassonografia são mostrada em tempo real, o que pode melhorar a eficácia do diagnóstico.

Equipamentos especiais, como o Doppler, permitem observar até mesmo o sentido e a velocidade do fluxo de sangue dentro dos vasos sanguíneos. Um transdutor, equipamento que emite ondas sonoras e produz ecos, também pode ser utilizado para produzir imagens melhores quando necessário.

O ultrassom também exibe imagens de alguns órgãos que não apareceriam de forma adequada na radiografia, além de permitir, por exemplo, a distinção entre cistos e tumores sólidos.

Quando o Ultrassom é indicado?

A ultrassonografia permite a visualização e a análise de músculos, articulações, tendões e órgãos. Por não emitir radiação, o ultrassom é um exame seguro e que, normalmente, não possui contraindicações.

Além disso, quando combinado a um sistema de processamento 3D ou 4D, o ultrassom é capaz de gerar imagens mais detalhadas. Este recurso é muito procurado por futuros pais, já que ele permite visualizar com detalhes a fisionomia de seus bebês em tempo real, ainda durante a gestação.

Vantagens do ultrassom

A ultrassonografia é um exame de baixo custo, que permite visualizar o funcionamento do organismo humano em tempo real. O uso de contraste também pode ser necessário no ultrassom para gerar resultados mais precisos, auxiliando na detecção de lesões focais em órgãos sólidos como o fígado, baço, rins, entre outros.

Cuidados e preparos necessários

Diferente do raio-x, algumas vezes o ultrassom exige algum tipo de preparo, que dependerá da estrutura a ser analisada – mamas, rins, próstata, abdômen. O exame pode exigir jejum, uso de medicamentos laxativos ou que o paciente esteja com a bexiga cheia, por exemplo. As orientações de preparo deverão ser devidamente esclarecidas pelo médico, pois seu cumprimento pode interferir diretamente na qualidade das imagens geradas.

Os exames de imagem são apenas uma parte do processo de diagnóstico do paciente, que pode incluir o levantamento do histórico clínico pessoal e familiar, exames físicos e laboratoriais. A qualidade dos resultados gerados pelos exames de imagem interferem diretamente no tempo levado até o diagnóstico e, como algumas doenças exigem um diagnóstico precoce, é importante que o paciente escolha clínicas qualificadas e com a tecnologia necessária.

Gostou do conteúdo? Em nosso Facebook você pode obter mais informações sobre os cuidados básicos com a sua saúde!

Ultrassom e Raio X: conheça as diferenças entre exames de imagem
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM