Como funciona o Ultrassom 4D?

Aguardar os nove meses de gestação para só então ver o bebê pode ser motivo de muita ansiedade para os pais. É comum que essa ansiedade aumente ainda mais no terceiro trimestre da gravidez, quando o parto se aproxima e o bebê começa a se movimentar mais.

Nessa fase da gestação, a realização do ultrassom e a possibilidade de ver o próprio filho costuma ser motivo de muita expectativa. Porém, essa espera pode se transformar em certa frustração devido à falta de definição das imagens gerada pelo ultrassom comum.

Por outro lado, os avanços da tecnologia já permitem ver a criança com uma precisão muito maior e ao vivo através do ultrassom 4D. Com essa possibilidade, podem surgir muitas dúvidas: quais as diferenças entre os exames em 2D, 3D e 4D? Será que este investimento realmente vale a pena? Quando é possível realizar esse ultrassom? Continue a leitura e entenda melhor sobre essas e outras questões.

Ultrassom 2D

O ultrassom em 2D é o ultrassom comum, que produz uma imagem em duas dimensões do útero materno. Ele é muito eficaz para os médicos no diagnóstico de alterações congênitas e para o acompanhamento do crescimento fetal.

Porém, o resultado da imagem 2D não tem qualidade suficiente para satisfazer a curiosidade dos pais. Isso acontece porque, para o ultrassom comum, o bebê é “transparente”: ele atravessa a pele fazendo com que os pais vejam apenas os ossos e órgãos internos.

Ultrassom 3D

O ultrassom em 3D ganhou popularidade nos últimos anos devido à maior nitidez e realismo de suas imagens, mostrando o bebê em 3 dimensões. A imagem é formada por uma composição de imagens bidimensionais, tornando possível enxergar detalhes como o formato do nariz e da boca, por exemplo.

Além disso, o ultrassom 3D pode ser um complemento no diagnóstico de possíveis doenças e problemas de formação. Um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais, por exemplo, comparou a eficácia do exame em 3D com o bidimensional no diagnóstico de hipoplasia pulmonar do recém-nascido – cujo sintoma é a redução do tamanho do órgão, afetando a respiração. Ao medir o volume do pulmão de bebês de grupos de risco com ambas as tecnologias, os pesquisadores conseguiram encontrar 11 vezes mais chance de o bebê apresentar a doença no exame em 3D.

Ainda sim, ele não substitui o ultrassom comum, já que essa vantagem acontece apenas em situações específicas. Por fim, o ultrassom 3D ele pode auxiliar no diagnóstico de problemas mais difíceis de serem observados em outros exames.

Ultrassom 4D

O ultrassom em 4D é a evolução do ultrassom em 3D, criando uma imagem ainda mais próxima da realidade. Tão seguro quanto os outros dois exames, além de observar o bebê em três dimensões, no ultrassom 4D é possível vê-lo se movimentando em tempo real.

Com a ajuda de um software, as imagens captadas em 3D são agrupadas sequencialmente de modo que os movimentos do bebê possam ser vistos com nitidez durante o exame. Além disso, o exame em 4D também pode auxiliar o médico a avaliar com mais precisão o volume e o funcionamento de certas estruturas, como pulmão e coração.

O que é possível ver no ultrassom 4D?

Mais do que ver o filho em tempo real, as imagens do ultrassom 4D são muito mais nítidas e possuem melhor qualidade, proporcionando uma experiência única para os pais. Ele possibilita, por exemplo, a visão de traços bem definidos do rosto, pés e mãos do bebê. Além disso, o exame pode trazer mais segurança, por permitir que os pais vejam que os filhos estão se desenvolvendo bem.

Por ser um vídeo em tempo real, dependendo da fase de desenvolvimento e da posição do bebê é possível observar movimentos como bocejo, sorriso, olhar, piscar de olhos, o ato de colocar a mão na boca e até os movimentos de sucção. Caso desejem, os pais podem pedir a gravação do exame, possibilitando que assistam o vídeo do ultrassom sempre que desejarem.

Quando é mais indicado realizar o ultrassom em 4D?

O melhor período para realizar um ultrassom 3D ou 4D é entre 26 e 30 semanas de gestação. Nesta fase, o bebê começa a chupar o polegar ou fazer movimentos de sucção com a boca. Suas pálpebras já não estão coladas, o que significa que ele pode abrir e fechá-las regularmente. Ele também está desenvolvendo sua capacidade de ver e ouvir e é possível notar que ele fica sensível a estímulos do ambiente, tais como ruídos, música ou luz.

Antes disso, embora imagens do rosto do bebê possam ser obtidas, elas ainda não são muito boas, pois o pouco tecido adiposo sob a pele torna os ossos do rosto muito visíveis. Após a trigésima semana, a qualidade da imagem também pode ficar comprometida já que, com o crescimento da criança, o espaço dentro do útero fica reduzido e o rosto do bebê pode ficar encoberto com frequência.

A qualidade da imagem também depende da posição em que o bebê se encontra. A posição ideal é quando ele está com o rosto virado para fora da barriga, com bastante líquido amniótico na frente e sem a interferência do cordão umbilical. Se o rosto do bebê estiver virado para as costas da gestante ou se estiver muito próximo da parede do útero, a imagem pode não ficar tão nítida quanto o esperado.

Onde fazer o Ultrassom 4D?

Na maioria das vezes, a própria clínica onde a gestante realiza o acompanhamento da gravidez realiza também o ultrassom 4D. É importante enfatizar que, do ponto de vista médico, os três tipos de ultrassom são eficazes no acompanhamento e diagnóstico da evolução gestacional.

Os exames em 3D e 4D podem ser úteis de forma complementar, mas apenas em situações pontuais. Então, como na maioria dos casos não há justificativa médica para a realização destes exames, eles geralmente não são cobertos pelos planos de saúde. Sendo assim, o principal benefício da ultrassonografia em 3D  e 4D são a experiência única e a segurança que eles podem proporcionar aos pais.

Ainda restou alguma dúvida sobre o ultrassom em 4D? Entre em contato conosco! Nossa equipe está preparada para atender você da melhor forma. 

3.2/5 - (19 votes)
Como funciona o Ultrassom 4D?
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM