DIU: o que é, indicações e funcionamento

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o dispositivo intrauterino (DIU) um dos contraceptivos reversíveis mais seguros e eficazes da atualidade. O DIU é um dos métodos anticoncepcionais mais utilizados no mundo e vem ganhando cada vez mais adeptas no Brasil.

Com alta taxa de eficácia contraceptiva, baixos índices de efeitos colaterais e preço mais baixo do que outros métodos – levando em conta que sua duração de 5 a 10 anos – os DIUs, seja hormonal ou não hormonal (de cobre) são ótimos métodos contraceptivos.

Por isso, nesse artigo, vamos informar e esclarecer as principais dúvidas a respeito dos DIUs para quem está pensando em utilizar o método. Lembramos que as informações aqui contidas não substituem o aconselhamento individualizado do seu ginecologista.

Confira o que você deve saber sobre esse método:

O que é um DIU?

O DIU é um dispositivo intrauterino pequeno e flexível que deve ser inserido pelo médico no interior da cavidade uterina, sendo um método anticoncepcional de longo prazo e reversível.

Existem dois tipos principais: o DIU não hormonal, também conhecido como DIU de cobre ou DIU de prata, e o DIU hormonal, que contém um hormônio derivado da progesterona (levonorgestrel).

Quais são as indicações para o uso do DIU?

Todos os tipos de DIU funcionam como excelentes métodos anticoncepcionais. O DIU hormonal pode ainda ser utilizado para o tratamento de sangramento menstrual excessivo, cólicas menstruais e para proteção do endométrio – camada de revestimento interno do útero – durante terapia hormonal na menopausa.

Os DIUs podem ser utilizados em pacientes de todas as faixas etárias, mesmo que ainda não tenham tido filhos. Após o parto, seja normal ou cesariana, o DIU também é uma ótima opção para contracepção, podendo ser inserido após 40 dias do nascimento do bebê.

Qual sua eficácia?

O DIU está entre os contraceptivos mais eficazes atualmente disponíveis, sendo mais seguro para prevenir gravidez do que os anticoncepcionais orais (pílulas), injetáveis, entre outros. No entanto, deve-se lembrar que todos os métodos podem apresentar falhas.

Uma grande vantagem dos DIUs em relação a outros métodos é que sua eficácia não depende de que a paciente se lembre diariamente de tomar um comprimido ou da data da próxima injeção.

Como o DIU funciona?

Os DIUs não hormonais – de cobre e de prata – atuam impedindo a motilidade dos espermatozoides no trato genital feminino.

Já o DIU hormonal, além de também afetar a motilidade dos espermatozoides, provoca ainda espessamento do muco normal do colo uterino e atrofia transitória do revestimento interno do útero, mecanismos que complementam sua ação contraceptiva.

O procedimento para inserção ou retirada é doloroso?

Em geral, o procedimento de inserção do DIU é muito bem tolerado, durando poucos minutos, e a remoção é ainda mais simples e rápida. Se a paciente desejar, é possível retirar um dispositivo vencido e colocar um novo no mesmo procedimento.

Na Clínica CEU Diagnósticos todos os procedimentos de inserção ou de retirada de DIUs acontecem sob acompanhamento ultrassonográfico, ou seja, o médico acompanha o trajeto do DIU até que o mesmo esteja posicionado adequadamente. Isso reduz o desconforto da paciente e, principalmente, torna o procedimento mais seguro, com risco praticamente inexistente de perfuração uterina.

No ato da inserção costuma ocorrer sensação de cólica, geralmente leve, que pode persistir durante os primeiros dias, no período de adaptação. Caso haja desconforto, sugere-se o uso de analgésicos e antiinflamatórios, conforme sempre orientado por escrito após o procedimento.

Posso expulsar o DIU após a inserção?

Sim, é possível, embora raro, principalmente quando a inserção é realizada sob acompanhamento ultrassonográfico.

Sintomas de expulsão parcial ou completa de qualquer DIU podem incluir sangramento, aumento repentino do fluxo menstrual ou dor. A grande maioria das expulsões ocorre nos primeiros meses de uso, sendo muito rara uma expulsão após o primeiro ano.

Sugere-se acompanhamento do dispositivo através da consulta ginecológica de rotina e de ultrassonografia anual.

Quais são os efeitos colaterais desse método?

Todos os tratamentos médicos podem provocar efeitos colaterais, porém ocorrem com frequência e intensidade variáveis entre as pacientes.

O DIU não hormonal – de cobre ou de prata – costuma aumentar o volume de sangramento menstrual. Podem também ocorrer cólicas mais frequentes.

O DIU hormonal pode provocar mudanças no padrão de sangramento menstrual, como escapes (sangramento discreto e escuro), sangramento irregular ou amenorreia (interrupção da menstruação), dor de cabeça, dor nas mamas, e aumento da oleosidade da pele.

A maior parte dos efeitos colaterais tem intensidade leve a moderada, e costuma ser temporária, durando entre 3-6 meses após a colocação, no que chamamos de período de adaptação.

Ambos os DIUs não aumentam o risco de trombose ou embolia pulmonar.

Quanto tempo devo esperar para ter relações após a inserção?

Recomenda-se aguardar sete dias após a inserção antes de ter relação sexual.

O DIU protege conta doenças sexualmente transmissíveis?

Não. O DIU não fornece proteção contra HIV ou outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Os únicos métodos que oferecem proteção contra DSTs são os métodos de barreira  – preservativo masculino ou feminino.

O que fazer quando eu quiser retirar o dispositivo?

O DIU pode ser facilmente removido a qualquer momento pelo médico e geralmente essa remoção é um procedimento indolor e rápido. O retorno à fertilidade normal ocorre rapidamente após a retirada do dispositivo.

Por quanto tempo posso utilizar o DIU?

Os DIUs não hormonais oferecem proteção contra gravidez por períodos de 3 a 10 anos, dependendo do modelo escolhido. O DIU hormonal tem efeito contraceptivo durante 5 anos.

Posso amamentar durante esse período?

Sim. O DIU não provoca qualquer tipo de efeito prejudicial sobre o crescimento ou desenvolvimento do bebê, nem altera a quantidade ou a qualidade do leite materno.

Quando esse método não é indicado?

O seu médico é a pessoa mais adequada para avaliar cada caso e verificar se há alguma contraindicação ao uso do DIU. De maneira geral, o dispositivo não deve ser utilizado na presença de qualquer uma das condições descritas a seguir:

  • Gravidez confirmada ou suspeitada;
  • Infecção do trato genital;
  • Câncer do endométrio ou do colo do útero confirmado ou suspeitado;
  • Tumores dependentes de progesterona (no caso do hormonal);
  • Sangramento vaginal anormal não investigado;
  • Anormalidades ou deformações da cavidade uterina;
  • Doença ou tumor do fígado;
  • Hipersensibilidade ao medicamento ou a qualquer constituinte do produto.

Posso usar coletor menstrual ou absorvente interno?

Sim, não há nenhum problema em usar absorvente interno ou coletor menstrual juntamente com o DIU, pois eles ficam em lugares diferentes no corpo. O vácuo formado pelo coletor não é suficiente para deslocar ou expulsar o dispositivo que está dentro do útero e a paciente pode seguir sua rotina normalmente durante esse período.

Se você ainda tem alguma dúvida sobre o dispositivo intrauterino, marque uma consulta com seu ginecologista. Assim que o método for escolhido, você pode agendar a inserção do DIU na Clínica CEU através deste formulário. Aguardamos o seu contato!

DIU: o que é, indicações e funcionamento
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM