5 doenças que causam infertilidade feminina

Cólicas fortes, sangramentos menstruais intensos e irregulares, dor nas relações sexuais. Longe de serem coisas naturais da vida das mulheres, estes acontecimentos podem ser sinais de doenças no sistema reprodutor feminino, muitas das quais podem levar à infertilidade feminina.

Estima-se que 15% dos casais em idade fértil possuem problemas para engravidar. A dificuldade para engravidar é considerada infertilidade (mesmo que temporária) quando os parceiros estão mantendo relações sexuais sem anticoncepcionais há mais de 12 meses, sem resultados positivos. Nestes casos, tanto a mulher quanto o homem devem procurar auxílio médico, para verificar se está tudo bem, uma vez que a dificuldade pode estar vindo de qualquer um dos parceiros.

Muitas vezes, a infertilidade feminina é temporária, sendo restabelecida curando-se a doença que a causou. Vamos explicar aqui sobre cinco das principais doenças que podem comprometer a fertilidade feminina, seus diagnósticos e possíveis tratamentos:

1. Endometriose

A endometriose é uma condição na qual o endométrio, mucosa que reveste a parede interna do útero, cresce em outras regiões do corpo. Todos os meses, as células do endométrio aumentam, tornando-o mais espesso para que um óvulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há gravidez, essas células descamam da parede uterina, sendo expelidas pela menstruação.

Quando a pessoa sofre de endometriose, algumas das células do endométrio, ao invés de serem expelidas, se espalham pelos ovários, pela cavidade abdominal e até por outros órgãos do corpo, onde voltam a multiplicar-se e a sangrar.

Quais os sintomas da endometriose?

Os sintomas mais comuns são cólicas menstruais intensas e dor nas relações sexuais, mas algumas vezes a endometriose pode ser assintomática. Além disso, a endometriose é a principal causa de infertilidade nas mulheres.

Tratamentos para a endometriose

O tratamento da condição depende da idade da paciente, da gravidade dos sintomas e do grau da doença. Algumas das opções são medicamentos para controlar a dor e minimizar a progressão da doença; cirurgia para retirar as áreas afetadas pela endometriose ou cirurgia radical (histerectomia com retirada dos dois ovários).

2. Infecções

Algumas infecções, como infecção por clamídia – uma bactéria sexualmente transmitida – ou doença inflamatória pélvica (DIP), que pode ser transmitida sexualmente ou causada por contato com objetos contaminados, também possuem como uma das possíveis consequências a infertilidade feminina.

Sintomas

A clamídia é assintomática em cerca de 80% das mulheres. No entanto, podem surgir sintomas como pequeno corrimento vaginal amarelo e espesso, dor abdominal, desconforto nas relações sexuais e sangramentos fora do período menstrual.

Já a DIP pode apresentar sintomas diferentes, dependendo do seu estágio. Seu estágio inicial também costuma ser assintomático, mas os microorganismos causadores da doença podem se multiplicar e espalhar, surgindo sintomas como febre, dor no ventre, corrimento anormal e dor no ato sexual.

Tratamento

A maioria das infecções são tratadas com antibióticos, de acordo com a recomendação médica. O antibiótico correto pode erradicar completamente as bactérias causadoras da doença, mas, como em qualquer outro tratamento com antibióticos, o uso incorreto pode tornar as bactérias insensíveis ao princípio ativo do medicamento.

Nesses casos, as doenças podem progredir e se agravar, causando inclusive infertilidade temporária e até permanente. O diagnóstico precoce e o uso correto dos medicamentos são responsáveis por impedir estes problemas.

3. Síndrome do Ovário Policístico

A Síndrome do Ovário Policístico (SOP) atinge cerca de 7% das mulheres na idade reprodutiva. A doença é caracterizada como um distúrbio endócrino, ou seja, causado por alterações hormonais. Acontece da seguinte forma: Durante o ciclo menstrual de qualquer mulher, é natural que aparecem cistos nos ovários, o que faz parte do funcionamento correto do órgão.

Posteriormente, estes cistos são expelidos no período menstrual. Em contrapartida, nas mulheres portadoras da SOP esses cistos não são expelidos, o que altera a estrutura ovariana e, consequentemente, o ciclo menstrual, levando à infertilidade. Ainda não se sabe as causas específicas da síndrome, mas o mais provável é que seja um problema genético.

Além deste, outros problemas no sistema endócrino, como alterações na tireoide, também podem levar a infertilidade feminina.

Sintomas

A Síndrome do Ovário Policístico aumenta a produção de testosterona na mulher, o que tem como sintomas o aumento de pelos no rosto, seios e abdômen. Ela também causa aumento de peso, acne, atrasos na menstruação e pode levar à infertilidade.

Tratamento

Como é um problema endócrino, o tratamento, na maioria das vezes, é hormonal. Pode ser feito com o uso de pílulas anticoncepcionais ou outros medicamentos para regularizar o ciclo menstrual.

4. Miomas

Os miomas são tumores sólidos benignos, formados por tecido muscular. O surgimento de miomas no útero são a terceira causa de infertilidade feminina mais comuns no mundo. Não há uma única causa para o aparecimento destes tumores, mas sabe-se que estão associados principalmente à produção de estrógeno.

Sintomas

Algumas vezes o aparecimento de miomas é assintomático, mas, dentre os possíveis sintomas, então aumento do fluxo menstrual, do volume do abdômen, dor e anemia.

Tratamento

O tratamento pode ser medicamentoso (para regular a produção de estrogênio), ou cirúrgico (para a retiradas dos miomas).

5. Hábitos não saudáveis

A prática de hábitos não saudáveis também é um dos principais comprometedores da fertilidade. Entre eles, os mais danosos são estresse; tabagismo; consumo de álcool excessivo e outras drogas; sedentarismo; desequilíbrio do peso  e uso de anabolizantes ou medicamentos que interferem na produção hormonal.

É importante lembrar que, com o diagnóstico precoce, na maioria das vezes estas enfermidades causam apenas infertilidade feminina temporária, ou seja, a fertilidade é restabelecida com a cura da doença. Como a maioria dos problemas citados costuma ser assintomático, um acompanhamento ginecológico periódico e a manutenção de hábitos saudáveis são essenciais para a preservação da sua saúde e, como consequência, para a conservação de sua fertilidade.

Gostou desse conteúdo? Então assine a nossa newsletter para receber mais informações relevantes para o cuidado com a saúde e bem-estar.

5 doenças que causam infertilidade feminina
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM