5 orientações para fazer um bom pré-natal

A descoberta da gravidez é um momento único na vida dos futuros papais e mamães. Cercado de muitas emoções e expectativas, ele também pode trazer diversas dúvidas e preocupações. Por isso, a realização do pré-natal é de grande importância. Esse é um processo de assistência médica continuada à gestante e ao bebê, que tem como objetivo prevenir e diagnosticar possíveis complicações nesse período.

Recomenda-se que o pré-natal comece assim que a gestação seja confirmada. Ao longo dos nove meses, cada fase exige a realização de consultas periódicas e exames com objetivos específicos, como determinar a idade gestacional, detectar o desenvolvimento de possíveis alterações e acompanhar o desenvolvimento fetal.

O acompanhamento médico nesse período é essencial também na escolha do tipo de parto e no cuidado posterior com a mãe e o bebê. Confira algumas das principais orientações que selecionamos para você realizar um bom pré-natal!

1. Quando começar o pré-natal?

A principal recomendação para o início do pré-natal é tão logo a gravidez seja descoberta. Como esse momento pode variar para cada mulher, o período ideal é a partir dessa confirmação. Encontrar um médico obstetra de confiança é o primeiro passo, já que ele irá te acompanhar, de perto, durante toda a gestação.

Para isso, procure indicações com pessoas próximas que já tenham passado por essa experiência, além de pesquisar recomendações em grupos e fóruns sobre gravidez.

2. Exames realizados no pré-natal

De acordo com o Ministério da Saúde, há uma série de exames de realização obrigatória no pré-natal. Veja quais são eles:

  • Tipagem sanguínea e fator Rh: o exame que analisa a compatibilidade do Rh da mãe e do bebê;
  • Hemograma: avalia risco de anemia na mulher e é um exame muito comum na gestação;
  • Exame de urina e fezes: avalia risco de infecções urinárias e outras doenças;
  • Translucência nucal: medição da nuca do feto para identificar possíveis malformações;
  • Testes de DSTs: os testes são realizados para diagnosticar possíveis doenças sexualmente transmissíveis, como sífilis e HIV, que podem ser transmitidas da mãe para o bebê;
  • Teste de malária e de hepatites B e C: também realizados na mãe com o objetivo de diagnosticar as doenças;
  • Triagem de diabetes gestacional: acompanha a saúde da mãe, com o objetivo de prevenir e tratar diabetes gestacional;
  • Ultrassonografia transvaginal: esse ultrassom permite descobrir o tempo da gestação, avaliar se a placenta é normal para a continuidade da gravidez, além do risco de aborto espontâneo;
  • Ultrassonografia morfológica: indicada para p diagnóstico de malformação fetal, avalia as condições da placenta e se há risco de parto prematuro. Normalmente, é nessa fase que o sexo do bebê é descoberto;
  • Ultrassonografia obstétrica: composto por vários tipos de ultrassom, esses exames permitem avaliar as condições da placenta, a quantidade de líquido amniótico e a posição do bebê dentro do útero – condicação que possui grande importância na escolha do tipo de parto.

3. Qual a quantidade ideal de consultas?

A quantidade de consultas também pode variar para cada caso. A primeira, como já indicamos, deve ser realizada logo a gravidez seja descoberta. O mais comum é que elas sejam realizadas mensalmente até a 28ª semana de gestação e, a partir disso, quinzenalmente até a 36º. Ao entrar na última fase, quando se inicia a 37ª semana, o ideal é visitar o consultório médico semanalmente.

Nessas visitas, o obstetra avalia o peso, a pressão sanguínea, sinais de inchaço das pernas e dos pés da mãe, altura uterina (medição da barriga) e os batimentos cardíacos fetais. Além disso, é papel do médico auxiliar a mãe no preparo das mamas para a amamentação e acompanhar o boletim das vacinas necessárias.

4. A importância do acompanhamento médico

O acompanhamento médico durante o pré-natal é mais do que uma simples formalidade. Além de ser o responsável por avaliar o desenvolvimento do bebê e cuidar da saúde da mulher, um bom obstetra é capaz de fazer dessa fase um momento muito mais tranquilo para os pais. Recomenda-se que seja o mesmo do início ao fim da gestação, o que gera mais confiança para a gestante.

5. Mamãe, não se esqueça de você!

Com todas as ansiedades e mudanças pelas quais a gestante passa, é muito comum que ela acabe, muitas vezes, descuidando de si mesma. Por isso, não menos importante que realizar as consultas e os exames necessários, é manter um estilo de vida saudável e não deixar de realizar as atividades que lhe dão prazer

O acompanhamento com outros especialistas também é importante e qualquer alteração deve ser comunicada para seu médico. Além disso, é preciso ter em mente que a maternidade e a paternidade não são funções naturais, mas aprendidas com tempo, dedicação e amor

A chegada de um bebê traz diversas mudanças na vida de uma família. Neste post, vimos sobre a importância do pré-natal nesse processo, como forma continuada de cuidado com a saúde com a mãe e o bebê. O papel do obstetra é de extrema importância, por isso, recomenda-se que os exames sejam realizados na mesma clínica de ultrassom durante toda a gestação.

Se você ficou com alguma dúvida ou tem sugestões sobre o assunto, veja também quais tipos de ultrassons realizar em cada trimestre da gestação.

5 orientações para fazer um bom pré-natal
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM