Ultrassom na gravidez: saiba qual fazer em cada trimestre

Quando se trata de gravidez, um dos momentos mais aguardados pelos pais é o da realização do ultrassom. Além de ajudar na descoberta do sexo do bebê, o exame permite acompanhar todo o desenvolvimento da gestação, que é o seu objetivo primordial. Através dele, o médico consegue avaliar a saúde do bebê em cada etapa e detectar possíveis alterações.

A realização do ultrassom na gravidez tem objetivos específicos para cada fase e é comum que seja realizado pelo menos um exame a cada trimestre de gestação. Contudo, não há uma quantidade certa ou ideal de quantos devem ser feitos. Essa decisão deve ser tomada em conjunto com o médico, responsável pelo acompanhamento de todo o processo gestacional e por avaliar as necessidades específicas de cada caso. Por isso a realização do pré-natal é tão importante.

Confira mais sobre os ultrassons que são realizados em cada fase da gravidez:

Ultrassonografia na gravidez

Também chamado de ultrassonografia obstétrica ou ecografia, o ultrassom na gravidez é um exame simples que utiliza ondas sonoras para produzir imagens e vídeos do bebê, do útero e outros órgãos do corpo. Através do transdutor, aparelho que o médico desliza sobre a barriga da gestante com o auxílio de um gel, é possível saber o tamanho do bebê, acompanhar as suas posições e movimentações dentro do útero, além de avaliar os seus batimentos cardíacos.

O exame dura cerca de 30 minutos, é prático e não possui nenhum efeito colateral. Apesar disso, é uma preocupação comum dos pais se ele é capaz de prejudicar o bebê. O ultrassom na gravidez é utilizado em todo o mundo e não há nenhum estudo que comprove que ele afete ou não o feto. 

Saiba qual ultrassonografia obstétrica fazer a cada trimestre:

Primeiro trimestre

Nessa primeira fase da gravidez, o ultrassom transvaginal ou endovaginal é o mais comum, sendo realizado entre a 7ª e 8ª semana de gestação. Para melhor avaliação, o transdutor é introduzido pela vagina da gestante, o que permite visualizar os órgãos dentro da cavidade pélvica.

O exame permite:

  • Descobrir o tempo da gestação – já que nem sempre a data da concepção coincide com o da ovulação estimada;
  • Avaliar se a placenta é normal para a continuidade da gravidez;
  • Visualizar se a gravidez é ectópica, ou seja, se o embrião está alojado dentro do útero;
  • Acompanhar o crescimento e o batimento cardíaco do bebê.

Além disso, o ultrassom na gravidez também ajuda a descartar a possibilidade de aborto espontâneo, principalmente para as mulheres que já apresentaram dificuldades ou complicações em outras gestações.

Para os casais que recorreram a técnicas de reprodução assistida, como a fertilização in vitro ou a inseminação artificial, é através dele que se descobre se há mais de um bebê.

Segundo trimestre

Já no segundo trimestre, é realizada a ultrassonografia morfológica. Para a sua realização, o transdutor é deslizado sobre a barriga da gestante com a ajuda de um gel. Realizado entre a 18ª e 24ª semana de gestação, esse exame é o que permite o diagnóstico de malformação do feto com maior precisão.

É por do ultrassom morfológico que é possível:

  • Geralmente, saber o sexo do bebê;
  • Avaliar a estrutura do feto já que, nessa fase, os seus órgãos e todas as estruturas internas estão bem formadas;
  • Analisar as condições da placenta e do líquido amniótico;
  • Obter o diagnóstico de placenta prévia, quando a abertura do colo uterino se encontra bloqueada e, assim, é preciso realizar cesariana;
  • Visualizar o comprimento do colo uterino e prever se há risco de parto prematuro.

Outra importante condição muito comum a ser avaliada através do exame é o risco de pré-eclâmpsia e, para isso, o doppler das artérias verifica se as duas artérias da mãe que nutrem o bebê estão em bom funcionamento.

Terceiro trimestre

Se aproximando do momento da chegada do bebê, nessa última fase já é possível vê-lo e avaliá-lo por completo no monitor. O ultrassom obstétrico é realizado, geralmente, na 34ª semana de gestação, também por via abdominal. Com ele, é possível:

  • Avaliar as condições da placenta e a quantidade de líquido amniótico;
  • Analisar se o crescimento e desenvolvimento do bebê estão adequados, como peso e altura;
  • Visualizar a sua posição dentro do útero – que tem grande importância na escolha do tipo de parto.

O exame também ajuda no acompanhamento de gestante já diagnosticadas com quadros de placenta prévia e diabetes gestacional.

Para os pais que desejarem conhecer o rostinho do bebê ainda na barriga, há também a opção da ultrassonografia 4D, que permite ver a criança com uma precisão muito maior do que o exame comum.

Como vimos nesse post, o ultrassom na gravidez é muito importante para acompanhar o desenvolvimento da gestação e a saúde do bebê. Cercada de muitas ansiedades e expectativas, essa fase pode ser vivida de forma mais tranquila e segura com o acompanhamento médico de qualidade. Para isso, é importante escolher e se manter, durante todo o período, em uma clínica que possa atender as suas demandas com qualidade.

Tem mais alguma dúvida sobre isso? Confira também o nosso post especial sobre o Ultrassom 4D, com as principais informações sobre o exame.

Ultrassom na gravidez: saiba qual fazer em cada trimestre
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM