Afinal, você sabe como funciona o DIU?

Nas últimas décadas, o DIU (dispositivo intrauterino), se tornou um dos principais métodos contraceptivos reversíveis usados no mundo. Entretanto, muitas mulheres ainda não sabem como funciona o DIU, e quando ele pode ser usado. Atualmente, existem dois principais modelos de DIU utilizados. Para saber mais sobre eles e entender como funciona o DIU, continue a leitura conosco!

Em que consiste o DIU? 

DIU é um dispositivo intrauterino pequeno e flexível que deve ser inserido pelo médico no interior da cavidade uterina, sendo um método anticoncepcional de longo prazo e reversível.

Antes de entender melhor como funciona o DIU, é importante conhecer seus principais tipos: o DIU não hormonal, também conhecido como DIU de cobre, e o DIU Mirena, que contém um hormônio derivado da progesterona (levonorgestrel).

Quais os tipos de DIU?

Existem dois principais modelos desses dispositivos: o DIU de cobre (não hormonal) e o DIU hormonal (também conhecido como SIU), que libera baixas taxas de progesterona de forma localizada. Cada um deles é recomendado para diferentes situações, dependendo das expectativas da paciente.

O DIU não hormonal (ou DIU de cobre) é um dispositivo pequeno e flexível, em forma de T, colocado no interior do útero. Ele atua em diferentes etapas para impedir a gravidez. Inicialmente, o DIU de cobre libera íons que imobilizam os espermatozoides e dificultam bastante a sua motilidade no útero, dificultando assim a fecundação. Se mesmo assim os espermatozoides conseguem ultrapassar essa barreira, o DIU age dificultando a implantação do ovo fecundado na cavidade uterina.

O DIU hormonal (ou Mirena) tem seu funcionamento parecido com o do DIU de cobre: ele funciona impedindo a passagem dos espermatozoides. Ele libera, de forma controlada, doses baixas de progesterona, deixando a camada do útero fina, diminuindo ou até mesmo cessando o fluxo menstrual.

Quando usar o DIU?

Todos os tipos de DIU funcionam como excelentes métodos anticoncepcionais. Além disso, o DIU hormonal pode ainda ser indicado para o tratamento de sangramento menstrual excessivo, cólicas menstruais e para proteção do endométrio – camada de revestimento interno do útero – durante terapia hormonal na menopausa.

Os DIUs podem ser utilizados em pacientes de todas as faixas etárias, mesmo que ainda não tenham tido filhos. Após o parto, seja normal ou cesariana, o DIU também é uma ótima opção para contracepção, podendo ser inserido após 40 dias do nascimento do bebê.

Quais as vantagens e desvantagens do dispositivo?

O DIU de cobre tem como vantagem a eficácia de 99,4% em uso perfeito e 99,2% em uso típico. Após inserido, ele pode durar de 3 a 10 anos, dependendo do modelo, necessários apenas exames de rotina para verificar se não houve algum deslocamento do dispositivo.

Ele não interfere na fertilidade, sendo rapidamente reestabelecida após a sua retirada. Por não possuir hormônios, ele não diminui o fluxo menstrual, não interfere na libido e não possui efeitos colaterais. Contudo, pode provocar ciclos menstruais mais longos e intensos. E, consequentemente, aumentar os casos de cólicas.

Já o DIU hormonal tem como vantagem a ausência do estrogênio em sua composição, hormônio presente na pílula anticoncepcional e está associado ao risco de trombose. O índice de falha é ainda menor que o do DIU de cobre, tendo uma eficácia de 99,7%. Ele reduz em 90% o fluxo menstrual, e cerca de 50-60% das mulheres que o utilizam param de menstruar. Além disso, ele diminui drasticamente a ocorrência de cólicas menstruais. 

No entanto, apesar da baixa absorção da progesterona, o uso do DIU Mirena pode causar dores nas mamas, agravar casos de acne e aumentar levemente o peso da mulher. Seu prazo de validade também pode ser uma desvantagem se comparado ao DIU de cobre. Pois, a versão hormonal deve ser trocada com cinco anos.

Como funciona o DIU? 

Enquanto o DIU não hormonal atua impedindo a motilidade dos espermatozoides no trato genital feminino, o DIU hormonal, além de também afetar a motilidade dos espermatozoides, provoca o espessamento do muco normal do colo uterino e atrofia transitória do revestimento interno do útero, mecanismos que complementam sua ação contraceptiva, afirmando como funciona o DIU no organismo da mulher.

A inserção do DIU é simples e rápida, com duração média de 15 minutos. O procedimento pode ser realizado no próprio consultório médico, sem necessidade de sedação ou internação. Porém, dependendo da paciente, a inserção também pode ser realizada com sedação.

O DIU pode ser inserido em qualquer momento do ciclo menstrual, desde que se tenha certeza de que a paciente não está grávida. Por isso, muitos médicos preferem realizar o procedimento durante o período menstrual. A eficácia do método é imediata, independentemente do momento de inserção.

Apesar de muitas mulheres sentirem um certo desconforto durante a colocação, menos de 5% sentem níveis moderados ou agudos de dor. Para reduzir as chances de incômodos, o médico pode recomendar que a paciente tome algum anti-inflamatório ou antiespasmódico antes do procedimento. Caso a paciente seja muito sensível à dor, o procedimento de colocação também pode ser realizado com anestesia.

Você pôde entender melhor como funciona o DIU de cobre e Mirena. É importante lembrar que para cada mulher há diferentes necessidades. Por isso, somente o acompanhamento com um especialista poderá contribuir na escolha do melhor método.

Já sabe qual tipo de dispositivo é o mais indicado? Então, agende a colocação de seu DIU na Clínica CEU!

Rate this post
Afinal, você sabe como funciona o DIU?
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM