Cintilografia de perfusão cerebral: o que é e sua importância?

A cintilografia de perfusão cerebral é usada para diagnosticar e acompanhar doenças vasculares e neurodegenerativas cerebrais, como tumores, Alzheimer e Parkinson. 

Este exame é utilizado principalmente quando outros exames, como a ressonância magnética e tomografia computadorizada, não são suficientes para confirmar o diagnóstico. 

A seguir, conheça um pouco mais sobre a cintilografia de perfusão cerebral e entenda sua importância.

O que é cintilografia de perfusão cerebral?

Também chamada de SPECT, a cintilografia de perfusão cerebral consiste na introdução de um radiofármaco lipossolúvel na veia do paciente. Essa substância apresenta a capacidade de atravessar a barreira hematoencefálica, responsável por proteger o cérebro, concentrando-se dentro dos neurônios. Essa ação proporcional ao fluxo sanguíneo do cérebro e à demanda funcional reflete de forma indireta no metabolismo cerebral.

Como funciona o exame?

O exame de cintilografia de perfusão cerebral tem como objetivo avaliar a função e metabolismo cerebral. Durante sua realização, o paciente deve ficar previamente em repouso em ambientes com o mínimo de estímulos visuais e auditivos. 

Além disso, uma punção de acesso venoso é realizada para a injeção do radiofármaco. Esse processo é realizado após 15 minutos do paciente em repouso. Uma vez introduzida a substância, o tempo de concentração do material na região cerebral para a obtenção de imagens é de 30 a 45 minutos. 

Após o intervalo, a cintilografia de perfusão cerebral é realizada, com o paciente posicionado com apoio especial de cabeça e bandagens para que movimentos que possam prejudicar a qualidade das imagens sejam evitados.

O aparelho usado para o exame realiza uma trajetória circular de 360º, muito próximo ao crânio do paciente. Por isso, é muito importante evitar também movimentos com o tronco, garantindo a qualidade do exame e evitando a necessidade de repetição.

Quais as indicações clínicas da cintilografia de perfusão cerebral?

A cintilografia de perfusão cerebral apresenta importantes indicações, visto que o exame tem a possibilidade de analisar o fluxo sanguíneo cerebral, avaliando assim o metabolismo de forma indireta. As indicações para realização do exame, são:

  • Auxiliar na investigação de doenças neuropsíquicas, como síndromes depressivas, esquizofrenia e transtornos obsessivos-compulsivos;
  • Avaliação de lesões inflamatórias, como encefalite herpética, lúpus eritematoso sistêmico e encefalopatia associada ao HIV.
  • Auxiliar no diagnóstico da doença de Parkinson ou outras síndromes parkinsonianas, como a doença de Huntington;
  • Diagnóstico precoce, planejamento, controle terapêutico e avaliação prognóstica de doenças cerebrovasculares;
  • Diagnóstico diferencial para demências, como as do tipo vascular e Doença de Alzheimer precoce;
  • Avaliação de lesões traumáticas, hematomas subdurais, abcessos e malformação vascular;
  • Localizar foco de epilepsia (avaliação pré-operatória de epilepsias focais de difícil controle);
  • Identificação de danos cerebrais decorrentes do uso de drogas ilícitas;
  • Critério para a confirmação de suspeita de morte cerebral;
  • Avaliação de tumores cerebrais.

Além disso, a cintilografia de perfusão cerebral pode ser solicitada quando existem dúvidas em relação a um diagnóstico de doença neurológica. Isso porque, alguns exames podem não ser suficientes para o esclarecimento dos casos, ainda que consigam mostrar as mudanças estruturais e anatômicas do tecido do cérebro.

Qual a sua importância?

O exame tem a importância de complementar diagnósticos de exames de imagens anatômicas convencionais, além de ser fundamental para identificar doenças vasculares e neurológicas, assim como oferecer apoio no acompanhamento e desenvolvimento do tratamento adequado.

O exame é seguro?

Apesar de ser um exame complexo, a cintilografia de perfusão cerebral é segura. Seus riscos são mínimos. A reação mais observada é a ruborização da pele (pele avermelhada), sem outras reações graves.

Exige preparo?

Diferente de boa parte dos exames, a cintilografia de perfusão cerebral não precisa de grandes preparos. O jejum não é necessário para a realização do exame. Caso faça uso de medicamentos para ansiedade, depressão ou problemas neurológicos, o paciente deve informar o médico responsável antes do exame. Além disso, é indicado o uso de roupas confortáveis e evitar peças metálicas, como anéis e brincos.

É contraindicado em algum caso?

O exame só é contraindicado para mulheres gestantes, ou com a suspeita de uma gestação, e lactantes (que estejam amamentando). 

Apresenta efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais no método utilizado para o exame são extremamente raros. Quando ocorrem, apresentam uma intensidade leve. Por isso, alguns efeitos que podem estar presentes na injeção do radiofármaco são náuseas, mal-estar, tontura e cefaleia. 

A cintilografia de perfusão cerebral é um exame de extrema importância que pode ajudar na identificação de doenças e complicações cerebrais e vasculares. Por isso, é importante manter exames de rotina em dia, realizando testes como este em uma clínica de diagnóstico por imagem qualificada.

Considerando que boa parte das doenças graves que afetam as pessoas poderiam ser diagnosticadas em um check-up simples, é fundamental buscar ajuda médica quando nos não só em casos de suspeita de sintomas, mas sim de maneira periódica, principalmente quando se tem histórico familiar de doenças, o que pode significar uma predisposição para doenças que podem ser diagnosticadas com a cintilografia de perfusão cerebral. 

 

Gostou deste conteúdo sobre a importância da  cintilografia de perfusão cerebral? Então, veja também os cuidados para combater a pressão alta!

5/5 - (1 vote)
Cintilografia de perfusão cerebral: o que é e sua importância?
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM