Doenças na primavera: como prevenir

A primavera chegou e com ela algumas plantas da estação, mas nem tudo são flores. Sim, a época mais colorida do ano também pode trazer alguns problemas de saúde como é o caso das doenças que ficam mais evidentes na primavera.

Mudanças de temperatura decorrentes de troca de estações, calor, tempo seco e incidência de queimadas, não passam despercebidas pelo nosso organismo. Alguns dos efeitos são a queda na imunidade, sobretudo em idosos e crianças, e até problemas cardíacos.

De fato, especialistas entraram num consenso de que o clima tem um grande efeito sobre a saúde humana. Sobretudo para indivíduos que carregam doenças respiratórias, uma drástica mudança no clima é preocupante.

O efeito brusco de mudanças climáticas foi testado em grupos de pacientes com e sem uma das condições respiratórias mais conhecidas: a rinite alérgica crônica. O estudo conduzido por cientistas da Universidade de São Paulo atestou que essas pessoas são muito mais propensas a apresentar sintomas oculares e respiratórios nessas condições. Isso acontece porque as vias aéreas são adaptadas para permanecer em temperatura constante, de acordo o professor de Pneumologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, Carlos Carvalho.

Tendo isso em vista, é indispensável ficar atento aos sintomas das doenças na primavera e também entender como tratá-las, para cuidar melhor da saúde. Entenda melhor a seguir:

Doenças na primavera: porque surgem

Hoje, uma simples virada de estação é agravada pelos fatores como a poluição atmosférica, queimadas e até uma certa imprevisibilidade climática que coloca em risco a saúde das pessoas.

De acordo com o Ministério da saúde, os impactos das mudanças climáticas são diversos. No caso de mudanças de estação, podemos mencionar:

  • Doenças cardiorrespiratórias associadas à alteração da qualidade do ar;
  • Doenças transmitidas por vetores e roedores;
  • Doenças mentais, nutricionais e infecciosas.

Confira as principais doenças na primavera:

1. Doenças alérgicas e respiratórias

As doenças alérgicas são uma soma de reações decorrentes da hipersensibilidade do sistema imunitário.

Conjuntivite

A Conjuntivite é caracterizada pelo lacrimejamento, vermelhidão e coceira ocular. O tratamento, por sua vez, consiste basicamente em higiene e hidratação com base em soro fisiológico. Por outro lado, o oftalmologista pode recomendar colírios específicos.

Rinite

Obstrução nasal, coriza, coceira no nariz e espirros são os principais sintomas da Rinite. Recomenda-se que pessoas com o quadro alérgico mantenham a casa sempre limpa, livre de poeira e mofo e também o ambiente muito bem umidificado.

É indispensável que se busque a orientação de um especialista que pode recomendar o uso de medicamentos antialérgicos. Por outro lado, o uso de soro nas narinas é sempre adequado.

Asma

Essencialmente, a asma é caracterizada pela insuficiência respiratória. Outros sintomas incluem tosse seca, sobretudo durante exercícios, quadros de ansiedade, taquicardia e garganta irritada.

A asma é uma condição séria, portanto, deve-se buscar um tratamento assim que diagnosticada. Da mesma forma, o sucesso da terapia depende de cuidados no ambiente, como:

  • Eliminar o cigarro (fumo ativo ou passivo);
  • Iingerir muito líquido;
  • Manter a casa sempre limpa, livre de mofo e poeira;
  • Prezar pela higienização com pano úmido;
  • Manter o ambiente umidificado;
  • Trocar peças de roupas de cama com boa frequência;
  • Evitar ácaros em colchões e travesseiros colocando-os ao sol.

2. Catapora

A catapora é uma doença viral e seus principais sintomas podem não ser tão intuitivos assim, portanto, é preciso ficar atento. Mal-estar, fadiga, febre, perda de apetite e, por fim, manchas vermelhas que coçam são os principais sintomas.

A melhor recomendação para a catapora são os cuidados para não adquiri-la. Isso se dá fazendo o uso da vacina. 

Além disso, pais e irmãos de uma criança com catapora podem se prevenir por evitar o contato direto com o infectado, tocar na pele da criança somente com luvas e fazer o uso de máscaras, manter uma excelente higiene na casa e manter o infante em quarentena, até que se cure.

Por outro lado, uma vez contraída a doença, o tratamento deve ser feito com antivirais.

3. Sarampo

O sarampo é uma doença viral muitíssimo aguda. Ele é caracterizado pela febre, tosse, dores de garganta, coriza, manchas vermelhas na pele. Além disso, algumas pessoas podem apresentar mal-estares e dores musculares.

Apesar de ser rara e evitada com vacina é uma doença na primavera que comumente volta a aparecer na população.

As recomendações para o tratamento são a alta ingestão de líquidos, consumo de alimentos leves, repouso e, em alguns casos, pode ser recomendado um tratamento para fortalecer a imunidade.

4. Caxumba

A Caxumba é uma infecção viral que prejudica as glândulas salivares parótidas. Ela é transmitida por saliva infectada e pode ser facilmente prevenida por meio da vacina tríplice viral.

É interessante ressaltar que a Caxumba nem sempre apresenta sintomas. Quando aparecem, as manifestações nem sempre são intuitivas, sendo a febre, fadiga, dor de cabeça, perda de apetite e, por fim, glândulas salivares doloridas e inchadas.

5. Rubéola

A rubéola é uma doença que afeta sobretudo jovens crianças e pode ser transmitida pela saliva, pelo ar ou muco de uma pessoa infectada.

Os sintomas incluem febre e dor de cabeça, em até três semanas após o contágio. Portanto, é recomendável que as crianças sejam imunizadas com a vacina MMR.

6. Roséola

Roséola é uma doença comum, facilmente transmissível e comumente afeta crianças de até dois anos de idade. Febre alta, irritações e, por fim, erupções na pele são os principais sintomas e podem se estender por dias.

O contágio da Roséola se dá pelo contágio, de tosse, espirro, compartilhamento de utensílios domésticos e beijo. Por outro lado, o tratamento consiste em repouso, medicamentos específicos e hidratação.

As doenças na primavera, como em qualquer outra estação, tem suas características específicas. As virais podem ser facilmente evitadas com a vacinação. Quanto aos alérgicos, os cuidados diários que apresentamos, como a boa ingestão de água, boa higiene e alimentação equilibrada e leve são as principais recomendações.

Da mesma forma, a prevenção e o acompanhamento médico frequente são indispensáveis para manter a boa saúde.  

4.5/5 - (2 votes)
Doenças na primavera: como prevenir
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM