Ultrassonografia com contraste: como funciona o exame e preparo?

O ultrassom com contraste é um exame de imagem usado para complementar o exame convencional. Afinal, este tipo de teste pode fornecer mais dados, aprimorando a definição das imagens e auxiliando o médico em um diagnóstico eficaz. 

Diferente dos contrastes radiológicos, o utilizado no ultrassom é constituído por microbolhas de gás inerte, ou seja, moléculas menores que as células do sangue. Dessa forma, o exame pode ser realizado de maneira segura, eficiente e com poucas contraindicações. 

A seguir, entenda como funciona a ultrassonografia com contraste e como é realizado seu preparo!

O que é a ultrassonografia com contraste?

Nem sempre o exame de ultrassonografia fornece todas as informações necessárias para um diagnóstico conclusivo. Nesses casos, o médico pode usar a ultrassonografia com contraste para melhorar as imagens e obter um diagnóstico mais preciso. 

Os exames contrastados são uma forma de melhorar a definição dos resultados nos exames de imagem, auxiliando o médico na avaliação do quadro de saúde do paciente.

É chamado contraste qualquer substância que facilite a visualização de uma estrutura interna em um exame de imagem. Existem diferentes contrastes feitos à base de variadas substâncias, como:

  • Bário: contraste ingerido por via oral, utilizado em exames de raio-x e tomografias em geral, para visualizar o tubo digestivo (intestino, estômago e esôfago);
  • Iodo: contraste que pode ser administrado oralmente ou por via intravenosa, também em raio-x e tomografias, para avaliar órgãos internos (normalmente sistema digestivo, rins e útero), veias, artérias e lesões.
  • Gadolínio: contraste usado em ressonâncias magnéticas, administrado apenas por via intravenosa, ajuda na visualização de tumores e infecções e na avaliação de veias e artérias.

O contraste à base de iodo é o que mais causa desconforto nos pacientes, como náusea, vômito, aceleração dos batimentos cardíacos, sensação de calor e alergias, com vermelhidão pelo corpo e coceira. Para pessoas com asma, é possível que o contraste cause falta de ar.

Os outros tipos de contraste raramente ocasionam reações, mas há relatos de coceira localizada e vermelhidão. Eventualmente, as três substâncias podem causar danos aos rins e reação alérgica grave, com inchaço da glote (garganta) e parada cardiorrespiratória.

Contudo, a ultrassonografia com contraste é diferente. 

A substância é constituída por microbolhas de gás (hexafluoreto de enxofre), envoltas em uma camada de lipídios (gordura), de tamanho próximo ao de uma hemácia, célula sanguínea. 

Essas microbolhas são injetadas na veia do paciente e circulam pelo organismo por até 5 minutos. Após esse período, o gás é eliminado pelo pulmão e a camada de gordura é absorvida pelo corpo. 

Durante o exame, é usado um aparelho de ultrassonografia específico para captar as microbolhas. Pela natureza da substância, a indicação do ultrassom com contraste é considerada segura para a maioria dos pacientes.

Como funciona a Ultrassonografia com contraste?

A ultrassonografia com contraste por microbolhas é um método avançado de diagnóstico por imagem. Com ele, o médico especialista pode identificar lesões impossíveis de serem observadas de outras formas.

O contraste por microbolhas não é radioativo e é muito seguro, ao contrário de exames que fazem contrastes gadolínios (na ressonância magnética) e iodados (na radiologia), que podem ser prejudiciais aos rins.

Quais as doenças são detectáveis?

A ultrassonografia com contraste é um exame utilizado para examinar estruturas vasculares, na investigação de vazamentos sanguíneos, obstruções das veias e artérias, malformações e aneurismas.

Essas estruturas podem ser bastante difíceis de analisar e o contraste ajuda dando mais clareza para as imagens. As microbolhas tornam possível avaliar a velocidade do fluxo sanguíneo e a identificação precisa de hemorragias, por menores que sejam. Também são comuns indicações do ultrassom com contraste para analisar doenças relacionadas:

  • nódulos e tumores no fígado;
  • lesões não-vascularizadas;
    como hematomas;
  • abscessos;
  • cistos;
  • áreas onde houve isquemia (ausência de suprimento sanguíneo e, consequentemente, de oxigênio). 

Como se preparar para o exame? 

Um dia antes da ultrassonografia com contraste o paciente deve evitar ingestão de substâncias que possam produzir gases intestinais, como frituras, leite e derivados, bebidas alcoólicas, repolho, feijão e outros.

É importante que a última refeição, na véspera, seja realizada até às 21 horas. Deve ser feito jejum de, no mínimo, 8 horas, inclusive de cigarro, assim como a retenção de urina por duas horas antes do exame.

É importante pontuar que o paciente deve assinar um Termo de Consentimento. De toda forma, todos os detalhes sobre o exame devem ser explicados por seu médico. Por isso, é importante contar com profissionais sérios e uma clínica de confiança.

Após entender melhor a ultrassonografia com contraste, seu preparo e a importância para identificar alterações que não são visualizadas por outros exames, não se esqueça de manter os exames de rotina como esse em dia, cuidando da sua saúde e qualidade de vida!

Quer saber mais sobre a ultrassonografia com contraste? Então, confira onde fazer o exame em BH!

Rate this post
Ultrassonografia com contraste: como funciona o exame e preparo?
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM