O que você precisa saber sobre o exame de amniocentese

A gravidez é um período de transformações, dúvidas e incertezas crescentes. Os exames do pré-natal ajudam a trazer tranquilidade para a gestação mas, em alguns casos, outros procedimentos são necessários, o que pode deixar a gestante e a família preocupados.

A amniocentese é um desses exames complementares, indicado em casos específicos para detectar problemas de saúde no bebê ainda dentro da barriga da mãe. Trata-se de um exame invasivo, com alguns riscos, e a realização dele depende da autorização expressa da gestante.

Neste post, conheça tudo o que você precisa saber sobre o exame de amniocentese, suas indicações e riscos.

Realizando um bom pré-natal

O segredo da maioria das gestações tranquilas é a realização de um bom pré-natal. Assim que descobre a gravidez, a mulher deve se consultar com seu ginecologista e um obstetra, que já deve solicitar os primeiros exames para avaliar a saúde da nova mamãe.

Além dos exames laboratoriais, há as ultrassonografias que devem ser realizadas a cada trimestre, para acompanhar o desenvolvimento do bebê e a saúde da gestação. Por isso, seguir as recomendações do pré-natal é mais do que uma boa conduta de saúde; é um ato de amor e cuidado, o primeiro de muitos que virão.

Durante esta etapa, o obstetra passa a ser o melhor amigo da família, orientando, tirando dúvidas e ajudando a acalmar a ansiedade para a chegada do novo membro. E encorajamos que as mamães aproveitem para pedir todos os conselhos e recomendações que precisarem.

Caso o seu obstetra te indique a necessidade de realizar uma amniocentese, por exemplo, é importante que você saiba do que se trata o exame e o que ele pode detectar. 

O que é amniocentese?

A amniocentese é um exame no qual uma amostra do líquido amniótico é retirada para análise. No líquido, podemos encontrar substâncias secretadas pelo feto durante o seu desenvolvimento, bem como células e outros materiais. Essas amostras podem ser avaliadas em laboratório para atestar a saúde do bebê, além de verificar se ele sofre de alguma alteração genética, como a síndrome de Down.

Apesar de ser um exame importante para esses diagnósticos, a amniocentese é um procedimento invasivo, que pode trazer riscos para a gestante e para o bebê. Assim, a amniocentese é um último recurso, quando há uma suspeita sólida sobre a saúde do feto e não há outro exame que possa ser feito para identificar.

Alguns fatores são decisivos para indicar a amniocentese, como:

  • Histórico de problemas genéticos na família;
  • Gestantes com mais de 35 anos;
  • Gestante que teve três abortos ou mais;
  • Alterações no pré-natal;
  • Histórico de outro filho com alteração genética, deficiência cerebral ou defeito na medula;
  • Indicativo de parto prematuro, para avaliação dos pulmões e identificar infecções.

Como o exame de amniocentese funciona

No exame, o médico usa a ultrassonografia para determinar a posição do bebê. Ele então introduzirá uma agulha longa pela pele da barriga, podendo aplicar uma anestesia tópica no local. A agulha é guiada pelo ultrassom, para não encostar no bebê, e através dela o médico retira uma amostra do líquido amniótico.

Depois disso, mãe e bebê precisam ficar em observação. A amniocentese pode induzir o trabalho de parto prematuro e também há um risco de infecção, então é importante que o médico monitore a gestante por algumas horas antes de liberá-la para ir para casa. A paciente deve fazer repouso por 24 horas após o exame.

Os resultados ficam prontos, em média, em duas semanas, dependendo do tipo de investigação que está sendo realizada. Testes genéticos podem demorar até três semanas, enquanto diagnósticos de pulmão costumam levar apenas dois dias.

O que a amniocentese pode detectar?

A amniocentese pode detectar alterações cromossômicas, como:

  • Síndrome de Down;
  • Síndrome de Klinefelter, em que meninos nascem com uma cópia extra do cromossomo X (feminino);
  • Síndrome de Turner, em que meninas nascem com apenas um cromossomo X.

Além disso, o exame também auxilia no diagnóstico de malformações e doenças crônicas, como:

  • Espinha Bífida – uma malformação na medula espinhal;
  • Anencefalia – o subdesenvolvimento do cérebro;
  • Anemia falciforme – doença que afeta a forma dos glóbulos vermelhos e causam anemia, fraqueza e infecções;
  • Fibrose cística – doença crônica que altera a produção de muco, suor e sucos digestivos, tornando-os substâncias espessas, que obstruem vias aéreas, tubos e passagens ;
  • Hemofilia – doença que faz com que o sangue do portador não coagule normalmente, com alto risco de hemorragias;
  • Distrofia muscular.

Quais os riscos do exame?

Por detectar doenças tão sérias, a amniocentese é um exame extremamente importante, mas a sua realização precisa ser avaliada individualmente, por conta dos riscos que oferece. Afinal, muitas das doenças não têm cura, ou seja, não há muito que os médicos possam fazer antes ou depois do parto.

Entretanto, a mulher tem o direito de querer fazer o exame e confirmar um diagnóstico, ou  de esperar o parto para realizar exames no bebê. Pois, ainda que sejam raros, há casos em que a mulher tem sangramentos intensos após o exame ou a bolsa pode se romper.

Também é possível que a agulha do exame machuque o bebê, danifique a placenta ou o cordão umbilical. Assim, é crucial fazer o exame com um profissional qualificado, com o auxílio da ultrassonografia e em um espaço preparado para atender a uma situação de emergência.

Quando uma amniocentese for necessária, o obstetra deve conversar com a gestante e esclarecer todas essas informações. E, de posse delas, a mãe tomará a decisão de realizar ou não o exame.

Como você viu neste post, a amniocentese é um exame relevante e com uma certa complexidade, mas que pode ajudar muitas mães a se prepararem melhor para receber seus bebês. Lembre-se: cada caso é único, e o seu obstetra é a pessoa mais indicada para confirmar se o exame é necessário de fato.

Confira mais conteúdos sobre acompanhamento da gravidez aqui.

Avalie esse post
O que você precisa saber sobre o exame de amniocentese
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM