Vitamina D: qual o seu papel na nossa imunidade?

Durante a pandemia muito tem se falado em relação às vitaminas que devem ser ingeridas com o objetivo de aumentar a imunidade e evitar assim o contágio pela Covid-19. Ainda que a vitamina D seja de extrema importância para o organismo e tenha papel fundamental em nossa imunidade, nenhum estudo afirma que sua ingestão possa evitar a doença causada pelo novo coronavírus. 

Contudo, a vitamina D apresenta funções muito importantes como reguladora do sistema imunológico, cardiovascular, metabólico, muscular e com funções relacionadas à saúde dos ossos. Para que você conheça o papel da vitamina D em nosso organismo, continue acompanhando a leitura conosco!

Como a vitamina funciona em nosso organismo?

As vitaminas são substâncias produzidas pelo nosso próprio corpo e também adquiridas pela  vitamina D, na verdade, é um hormônio esteroide essencial ao nosso organismo, e sua principal fonte se dá por meio da exposição solar, em que os raios ultravioleta tipo B (UVB) são capazes de ativar a síntese dessa substância. Ainda que a alimentação auxilie na obtenção dessa vitamina, é a exposição ao sol a responsável por ativar sua função no corpo.

A vitamina D pode prevenir doenças como a Covid-19?

Ainda que esse seja um assunto muito discutido, essa vitamina não é capaz de prevenir a Covid-19. O que acontece, na verdade, é que as células de defesa do sistema imunológico apresentam receptores para a vitamina D. 

Por sua vez, esses receptores atuam fortalecendo o sistema de defesa, ajudando na prevenção de doenças. Entretanto, em relação à Covid-19, não existem dados que correlacionam de forma direta o efeito da vitamina na gravidade da doença. 

Consequências da falta de vitamina D

De acordo com estudos, a vitamina D é capaz de articular o sistema imune inato. Ou seja, nossa primeira defesa que é responsável por uma resposta assim que nosso organismo é invadido por microorganismos nocivos. 

Quando em quantidades normais, a vitamina pode ajudar a combater invasores sem que eles provoquem danos ao organismo. Por esse motivo, a carência dessa substância pode deixar nosso corpo suscetível às doenças infecciosas. Entre as principais consequências da falta da vitamina D no organismo estão:

  • depressão; 
  • problemas na estrutura óssea, visto que a vitamina D é fundamental para absorção de cálcio nos ossos;
  • doenças cardiovasculares, com o acúmulo de cálcio na artéria o risco de placas aumenta, favorecendo as chances de insuficiência cardíaca, infarto e AVC;
  • diabetes, a produção de insulina requer participação da vitamina D;
  • prejuízo à força muscular;
  • doenças autoimunes;
  • gripes e resfriados;
  • Osteoporose;
  • Osteomalácia.

Entre as condições acima citadas, estudos apontam que a deficiência da vitamina pode estar associada também à asma, dermatite atópica, alergias alimentares, doenças inflamatórias do intestino, artrite reumatoide, câncer de próstata, câncer de mama e de cólon.

Durante a gestação ela pode ser associada ao aumento do risco de hipertensão arterial e diabetes gestacional, assim como ao nascimento de bebês com baixo peso ou prematuros. Por esse motivo, o acompanhamento em relação às taxas de vitamina D no organismo é essencial, principalmente durante a gravidez.

Formas de manter bons níveis de vitamina D

O risco para baixas taxas de vitamina D no organismo aumentaram desde o início da pandemia. Afinal, o distanciamento social obrigou muitas pessoas a permanecer dentro de suas casas. Durante esse período, é preciso adaptar-se para manter os níveis adequados da substância no organismo. Por isso, é importante:

  • receber exposição solar diariamente por, pelo menos, 20 minutos, sendo os melhores horários antes das 10 horas da manhã e após as 16 horas;
  • ter uma alimentação saudável e equilibrada com alimentos ricos em vitamina D, como leite, cogumelo, peixes como salmão, e frutas cítricas.

Além disso, é importante lembrar que essas são as melhores maneiras de obter vitamina D sem causar danos à saúde. Os suplementos da substância podem ser usados em casos de insuficiência no organismo e também no tratamento de algumas doenças, sendo constatada a falta do nutriente após exame de sangue. 

No entanto, devemos ressaltar que o uso de medicamentos e também suplementação só deve ser feito de acordo com prescrições médicas, após a avaliação e constatação do déficit da vitamina, como no caso acima. 

Alguns tratamentos recomendam altas dosagens da substância e esse consumo só deve ser feito diante de acompanhamento médico, observando a quantidade de cálcio e líquidos que serão ingeridos. Isso acontece, pois, o consumo do mineral, muitas vezes,  precisa ser reduzido e o de líquidos deve ser aumentado.

No post de hoje você pôde conhecer a importância que a vitamina D tem em nossa imunidade. Além disso, viu também que a automedicação desta substância é contraindicada, e deve ser evitada sem a recomendação médica adequada, afinal, a substância não tem efeito nenhum em relação ao combate da Covid-19.

Você gostou das informações deste texto? Então, continue se informando e veja quais exames preventivos é preciso fazer anualmente!

Vitamina D: qual o seu papel na nossa imunidade?
Equipe da Clínica CEU

Responsável pelo conteúdo: Dr Rogério Augusto Pinto da Silva - CRM: 13323 - MG. Currículo Lattes. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4728497Y9

LEIA TAMBÉM